Como lidar com a pressão alta

MARILDA NOVAES LIPP,PhD.
DIRETORA DO INSTITUTO DE PSICOLGOIA E CONTROLE DO STRESS.

“Sua pressão está alta”, “Você está hipertenso”. Ao ouvir estas palavras a pessoa começa imediatamente a se fazer várias perguntas sobre as implicações do diagnóstico para o seu futuro, para a sua saúde e para a sua qualidade de vida. Você está certo em se preocupar. Como diz o Dr. Kenneth Cooper, a hipertensão não dói – ela mata. Como uma bomba relógio, que silenciosamente marca o tempo, a hipertensão vai pressionando o corpo e de repente ele explode na forma de um acidente vascular cerebral ou de um enfarte que poderá levar à morte.

Calma! Estas consequências nefastas não têm necessariamente que ocorrer se você receber o tratamento adequado e conseguir manter a sua pressão sob controle. Com os cuidados necessários e algumas mudanças no estilo de vida, você pode continuar tendo uma vida igual à de qualquer normotenso. Aliás, você pode começar usufruir de uma qualidade de vida melhor do que a que vinha tendo até hoje. Há muitas pessoas que nunca se preocuparam com sua qualidade de vida emocional, afetiva, ou de saúde e que a partir da descoberta de que sofriam de hipertensão passaram a ter uma vida mais saudável do que a que tinham antes do diagnóstico porque daí em diante passaram a ter mais cuidados com seus hábitos de vida. Muitas das pesquisas têm sido realizadas no campo da hipertensão e hoje em dia já tem um bom conhecimento de como ajudar o hipertenso a ter uma vida normal e produtiva. Com algumas mudanças feitas no seu estilo de vida você poderá assegurar que a hipertensão se mantenha dócil como uma fera domada.

Como você pode ajudar seu médico a ajudá-lo

1. O primeiro passo é, sem dúvida, você decidir que vai assumir responsabilidade pelo seu tratamento. Sem essa decisão o controle de sua pressão vai ficar mais difícil porque o médico sozinho não tem condições de tratá-lo. É preciso que você se convença de que você é o ator principal nesta peça. Você é que tem que tomar os remédios fielmente, você é que tem que mudar sua vida e aderir a essas mudanças. O médico e o psicólogo especialista em stress podem, e devem, ajudá-lo a elaborar um plano de vida que comporte o controle da sua pressão, porém somente você pode implementar tal plano. Lembre-se de que está em suas mão determinar se vai assumir ou não o risco, que é grande, de vir a ter uma série de doenças. O controle de sua pressão significa um investimento para uma vida saudável hoje e no futuro.

2. Após ter decidido que você vai investir em si mesmo, elabore o seu plano de ação. Não adie; marque uma data para começar um novo estilo de vida. Se o médico determinou que você não precisa de medicação, ótimo! Leia este texto até o final e elabora um plano individual para controle do stress, o que significa também, no seu caso, um plano de controle de sua pressão arterial. Se seu médico achar que por causa de sua condição específica, você deve tomar remédios, não se preocupe tanto, o importante é elaborar um plano de vida que contribua para que precise tomar o mínimo de remédios possível para manter a sua pressão sob controle. Neste caso, primeiro planeje tomar seu remédio todo dia na mesma hora a fim de se tornar um hábito, como o de escovar os dentes ou lavar o rosto, que é tão automático que a pessoa não esquece. Depois, com base nos ensinamentos contidos neste texto, elabore um plano de mudança de estilo de vida que possa ajudá-lo a combater o stress e a manter sua hipertensão sob controle. O capítulo “O tratamento não-farmacológico da hipertensão” do livro intitulado “Pressão alta e stress: O que fazer? vai lhe dar todas as informações de como elaborar tal plano.

3. No dia escolhido implemente sue plano de mudança de hábitos e de melhoria de qualidade de vida. Se você é como a maioria das pessoas, vai pensar em mil desculpas para adiar o início de uma nova vida. Isto ocorre porque toda mudança assusta um pouco as pessoas. Não vacile; o não começar significa que você vai ficar se preocupando porque não teve coragem de começar ainda, o que, infelizmente, pode até piorar a sua pressão. Uma vez que você decida mudar, não permita que preguiça, comodismo ou medo do novo o detenha. Lembra-se, é a peça de sua vida que está no palco sendo representada e você é o ator principal.

4. Verifique a sua pressão regularmente, mas não de modo obsessivo. Vá ao médico nas consultas marcadas e se achar que precisa de uma consulta extra, converse com ele. Ao mesmo tempo, avalie sempre se as mudanças que planejou fazer em sua vida então sendo implementadas corretamente. Não espere uma melhoria imediata; leva algum tempo para que o efeito seja notado. Lembre-se que excesso de sal, ingestão exagerada de bebidas alcoólicas e stress são fatores que interferem na elevação da pressão arterial. Tente ver o que tende a elevar sua pressão e evite estas coisas, sejam elas comidas ou bebidas ou ainda interações sociais.

5. Faça com que as mudanças introduzidas em sua vida, e que o fizeram se sentir bem, sejam mantidas, até que elas se tornem parte integrante de sua rotina. Não desista depois de algum tempo. Lembre-se de que sua pressão arterial pode novamente ficar descontrolada. A sua decisão de assumir o controle de sua saúde tem de ser para o resto da vida, a fim de que você possa ter esta vida para viver.