O MODELO QUADRIFÁSICO DO STRESS

O stress pode atingir qualquer pessoa, pois mesmo as mais fortes estão sujeitas a um excesso de fatores estressantes que ultrapassam sua capacidade física e emocional de resistir. No passado, pensava-se que o stress se desenvolvia apenas em três fases: alerta, resistência e exaustão.

Após 15 anos de pesquisas identifiquei recentemente a existência de uma outra fase do stress, designada de “fase de quase-exaustão”, situada entre a “fase da resistência” e a “fase da exaustão”. Deste modo, propus um modelo quadrifásico para o stress, expandindo assim o modelo trifásico desenvolvido por Hans Selye, em 1936.

Para tornar claro o processo de desenvolvimento do stress é necessário considerar que o quadro sintomatológico do stress varia dependendo da fase em que se encontre. Na “fase do alerta”, considerada a fase positiva do stress, o ser humano se energiza através da produção da adrenalina; a sobrevivência é preservada e uma sensação de plenitude é freqüentemente alcançada.

Na segunda fase, a “fase da resistência”, a pessoa automaticamente tenta lidar com os seus estressores de modo a manter sua homeostase interna. Se os fatores estressantes persistirem em freqüência ou intensidade, há uma quebra na resistência da pessoa e ela passa a “fase de quase-exaustão”.

Nesta fase, o processo de adoecimento se inicia e os órgãos que possuírem uma maior vulnerabilidade genética ou adquirida passam a mostrar sinais de deterioração. Em não havendo alivio para o stress através da remoção dos estressores ou através do uso de estratégias de enfrentamento, o stress atinge a sua fase final, a “fase da exaustão”, quando doenças graves podem ocorrer nos órgãos mais vulneráveis, como enfarte, úlceras e psoríase, dentre outros. A depressão passa a fazer parte do quadro de sintomas do stress na “fase de quase-exaustão” e se prolonga na “fase de exaustão”.

 

Sintomas e fases

Existem várias teorias do stress que visam explicar a ontogênese dos sintomas que definem um quadro característico do distúrbio. A teoria proposta por Selye professa que o fenômeno do stress envolve principalmente três importantes alterações no organismo que explicam como os sintomas se desenvolvem. Essas alterações foram descobertas a partir das primeiras pesquisas de Selye, ao verificar que o organismo de ratos reagia a estímulos apresentados com alterações no timo (redução), nas supra-renais (dilatação do córtex) e na área gastrointestinal (aparecimento de úlceras). Selye se referia, então, a uma tríade que representaria “a expressão corporal de uma mobilização total das forças de defesa” (Selye, 1965, pg. 35). Mais tarde, tais conclusões foram transpostas para o homem com suas devidas adaptações.

Em 1956, Selye propôs que o stress se desenvolve em três fases: alerta, resistência e exaustão. Na revisão de seus conceitos, realizada em l984, Selye sugeriu que o organismo tenta sempre se adaptar ao evento estressor e neste processo ele utiliza grandes quantidades de energia adaptativa.

Na primeira fase, a do alerta, o organismo se prepara para a reação de luta ou fuga, que é essencial para a preservação da vida. Os sintomas presentes nesta fase se referem ao preparo do corpo e da mente para a preservação da própria vida. Se o stress continua presente por tempo indeterminado, a “fase de resistência” se inicia quando o organismo tenta uma adaptação devido à sua tendência a procurar a homeostase interna. Na “fase de resistência”, as reações são opostas àquelas que surgem na primeira fase e muitos dos sintomas iniciais desaparecem, dando lugar a uma sensação de desgaste e cansaço. Se o estressor é contínuo e a pessoa não possui estratégias para lidar com o stress, o organismo exaure sua reserva de energia adaptativa e a “fase de exaustão” se manifesta, quando doenças sérias aparecem.

A resposta de stress necessariamente deve ser estudada nos seus aspectos físicos e psicológicos, pois ela desencadeia não só uma série de modificações físicas, como também produz reações a nível emocional. Na área emocional, o stress pode produzir desde apatia, depressão, desanimo, sensação de desalento e hipersensibilidade emotiva até raiva, ira, irritabilidade e ansiedade, além de ter o potencial de desencadear surtos psicóticos e crises neuróticas em pessoas predispostas.

As manifestações do stress também podem contribuir para a etiologia de várias doenças físicas graves e afetar profundamente a qualidade de vida individual e de populações específicas. Dentre as doenças psicofisiológicas estudadas que tem o stress presente em sua ontogênese, seja como um fator contribuinte ou como desencadeador, encontram-se: hipertensão arterial essencial, úlceras gastro-duodenais, câncer, psoríase, vitiligo e retração de gengivas, dentre outras.

Embora Selye tenha identificado somente três fases do stress, no decorrer da padronização do Inventário de Sintomas de Stress para Adultos de Lipp (Lipp, 2000), recentemente publicado pela Casa do Psicólogo, uma quarta fase foi identificada, tanto clinica, como estatisticamente.

A esta nova fase foi dado o nome de “fase de quase-exaustão” por se encontrar entre a “fase de resistência” e a “fase da exaustão”. Esta fase recém-identificada se caracteriza por um enfraquecimento da pessoa que não mais está conseguindo se adaptar ou resistir ao estressor. As doenças começam a surgir, porém, ainda não tão graves como as da “fase da exaustão”.

Embora apresentando desgaste e outros sintomas, a pessoa ainda consegue trabalhar e atuar na sociedade até certo ponto, ao contrário do que ocorre em exaustão, quando a pessoa pára de funcionar adequadamente e não consegue – na maioria das vezes – trabalhar ou se concentrar.

Os dados mostraram que a “fase de resistência”, como proposta por Selye, era muito extensa, apresentando dois momentos distintos não caracterizados por sintomas diferenciados, mas sim pela quantidade e intensidade dos sintomas.

Deste modo, no modelo quadrifásico de Lipp, a “fase de resistência” se refere à primeira parte do conceito da “fase de resistência” de Selye, enquanto que a “fase de quase-exaustão” se refere à parte final da mesma, quando a resistência da pessoa está realmente se exaurindo.

 

Referência:

Marilda Novaes Lipp e Lucia Novaes Malagris, O Stress Emocional e seu Tratamento.In Bernard Range (Org) . São Paulo: Artes Medicas. 2001

sem-capa

Marilda Emmanuel Novaes Lipp